sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Roda de Passarinho na Caatinga (Capitulo VIII)

Pacoti, Maciço de Baturité - Ceará

"A região de vales e serras, com lugares de difícil acesso e diferenciada geograficamente das secas planícies do sertão, possuem, por sua natureza, maior fertilidade de solos e abastança de águas, as que descem da serra em rios, riachos, e também as provenientes dos lençóis freáticos. Essas "ilhas de umidade" possuem características próprias de mata atlântica, e são tidas como zonas de refrigério pela peculiaridade do clima de altitude.
(...) Entre os animais o que mais me marcou, a seguir das raposas sorrateiras, foram as aves, estas bem mais variadas que os endêmicos pardais de meu quintal urbano. Fiz questão de aprender seus nomes: pintor-verdadeiro, sabiá, beija-flor, corrupião, galo-campina, periquito-de-cara-suja e tantos outro."
(Trecho do livro Pacoti História & Memória, escrito pelo querido amigo e historiador Levi Jucá, quem organizou e nos acompanhou com sua esposa, Maraline, pelas Rodas de Passarinho em Pacoti.)

Domingo, 15 de novembro, chegada na frente da Igreja Matriz de Guaramiranga, onde nos aguardava Gilson Leal para nos levar até o encantador Sítio São Luis, de sua amada "sogrinha" Cláudia Góes. Nesse sítio encontra-se a "majestosa construção de imensas colunas brancas que se fecham em arcos simétricos, como uma fortaleza" onde ficamos hospedados enquanto nossos amigos nos apresentavam as belezas e delícias do Maciço de Baturité.
Gilson Leal nos trouxe e acompanhou em muitas jornadas pelo Ceará.

Rota do Café Verde

O Maciço de Baturité no Século XIX tinha como principal atividade a cultura cafeeira, chegando a deter 2% de toda a produção nacional. Há relatos de que o grão ali colhido era um dos mais apreciados nas cafeterias francesas, conhecido como Café de Sombra.

Pousadas, fazendas, Museu Ferroviário de Baturité, Hotel Colonial, Mosteiro dos Jesuítas e o Sítio São Luis fazem parte do programa para o desenvolvimento sustentável da cafeicultura local, por meio do Sebrae, que empreende ações para garantir a recuperação e conservação dos recursos naturais, a valorização da identidade cultural, do patrimônio histórico e de modelos sustentáveis de produção.

Não me Deixes

De nossa querida amiga Cláudia ganhamos o livro de Rachel de Queiroz Não Me Deixes - Suas histórias e sua cozinha que veio com um carinhoso bilhete escrito em bela caligrafia onde conta o por quê do "Não me deixes". Ela também nos levou para conhecer Quixadá e o Sítio de Rachel.

Quixadá

Se eu fosse extraterrestre baixaria em Quixadá, pois é a paisagem mais próxima de um conto de ficção científica que já visitamos, uma espécie de stonehenge incrustado no sertão de Quixeramobim.

Pedra Aguda, envolvida em lendas e encantamentos

Laura Góes, filha de Claudia, nos enviou esta lenda, ouvida ao pé do fogão numa das noites frias no Sítio São Luis:

"Um velho que se dizia também índio, contava pra gente que aí moravam três princesas. Três irmãos foram desencantá-las. Para o grande percurso, cada um recebeu de um velho mago, uma laranja que não poderiam comer em circunstância alguma!
Havia na entrada da Pedra um dragão cuspidor de fogo a guardar as três jovens encantadas. No caminho, a fome e a sede corroíam os três irmãos desbravadores. Um deles não resistiu, puxou do bolso uma faquinha e cortou a laranja. Para seu espanto escorreu sangue dela! Colocou a casca no mesmo lugar, fechando o corte, meteu-a de novo no bornal e seguiu caminho noite e dia...
Chegando na Pedra veio o Dragão recepcioná-los com fogo e ira!
Lembraram o conselho do velho, soltaram as laranjas no chão e viram surgir três cavalos árduos! Porém, um estava morto, com o pescoço degolado.
Montados a cavalos, dois irmãos driblaram o dragão e resgataram duas princesas... a outra ficou lá, a maldizer o irmão que não resistiu às tentações...
Encantada, não envelhece e ainda está lá, aguardando quem a salve."



Pedra Aguda, em Aracoiaba (do Tupy: lugar do canto das aves), vista da Serra de Baturité



No Sítio São Luis ficamos hospedados... (foto Renato Rizzaro)



...e aconteceu a décima primeira Roda de Passarinho... (foto Janus Longreen)



...com os Jovens Exploradores do prof. Levi Jucá... (foto Janus Lonngren)



...que ganhou o 1º lugar no VI Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus. (foto Janus Lonngren)



Toynha, orgulhosa por estar frente a uma casa cinematográfica (foto Janus Lonngren)



A casa é fotogênica! (foto Renato Rizzaro)



A querida Claudia Góes... (foto Gabriela Giovanka)


...e Toinha. (foto Gabriela Giovanka)


O coração do Sítio São Luis com a mestre Toinha preparando um saboroso quitute (foto Gabriela Giovanka)


Laura, Gilson Leal e filhos, Gabriela, Maraline e Levi Jucá


Belíssimo Graxaim nos encontra pelo caminho


Presente de Levi Jucá à biblioteca da Roda de Passarinho


Bilhete de Claudia Góes explica o por quê do "Não me Deixes"


Maraline, esposa de Levi Jucá, nos presenteou...


... com alguns mimos de sua confecção.


ONG Aquasis, guardiã de espécies no Ceará...


...entre elas, o Periquito-de-cara-suja, Pyrrhura griseipectus (foto Gabriela Giovanka)


Nossa décima segunda Roda de Passarinho na sede do Eco Museu de Pacoti


Professores da região vieram até o Eco Museu a convite dos Jovens Exploradores


Gabi e Dona Fatinha, na Fazenda Monamo. Dica do Thiago T. Silva para fotografar aves em close


A cozinha de Rachel de Queiroz começava antes do sol nascer e ia até a hora do jantar


Gabriela, Toinha, caseiro, seu Antonio, Claudia e Emiliana, em entrevista na cozinha de Rachel de Queiroz


Na saída do "Não me deixes", ao atravessar a linha de trem, rumamos a Quixadá


Pedra da Galinha-choca, Quixadá


D. Pedro II ordena a construção do Açude do Cedro em função da grande seca de 1877/79


Vista de Quixadá, incrustada entre inselbergs...


...e da estrada que leva ao Maciço de Baturité, ambas tiradas do Santuário NS Imaculada Rainha do Sertão.


Depois de cruzar a Caatinga de baixo pra cima, por mais de 1.000km em 30 dias, rumamos ao litoral extremo nordeste do Ceará, Icapuí, para rever as falésias do litoral norte brasileiro. Conversa para o próximo capítulo...






5 comentários:

  1. Caros e Queridos Renato e Gabriela,
    em cada palavra escrita, percebe-se a gentileza em prestigiar outros narradores.Isso, por si só, é digno de elogios. Mais ainda pelo belo resumo e por tão preciosas e lindas fotos! Que fotos! Agradecida por tanto carinho! Daqui, dessas terras de longe, que agora estão molhadas com as primeiras chuvinhas do inverno, mando um abraço forte e grande para vocês dois!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Laura, agradecemos de coração à fonte inspiradora que foram todos vocês que nos receberam e nos deram a oportunidade de participar de suas vidas por um tempo. Estamos abertos a opiniões e também aos seus belos textos para complementar o que existe de maravilhoso em sua terra e que só quem vive pode relatar. Ficamos ainda mais felizes com a noticia das chuvas, uma vez que estavam sendo aguardadas há tempo! Abração a todos!

      Excluir
    2. "E a Roda continua a rodar" nos laços sagrados que unem as puras almas ! Gente boa e de coração imenso, Renato e Gabriela nos enriqueceram com suas histórias, experiências e sensibilidade ! Obrigado pela amizade e ensinamentos ! Estamos aqui: na Serra, Sertão e verdes mares alencarinos sempre prontos e ansiosos a recebe-los ! Viva a Roda de Passarinho !

      Excluir
  2. Espetacular, a passagem do Roda de Passarinho na Caatinga pelo nosso amado Quixadá, no coração do Ceará.

    ResponderExcluir